Pratinho de Couratos

A espantosa vida quotidiana no Portugal moderno!

segunda-feira, maio 07, 2012


Esperemos…

Esperanças. Bocage, enxotando os índios da Índia, dos portugueses, importunadores, para o seu buraco [1]. Frustrações. Colheram os “lusos heróis, cadáveres cediços”, sepultados, por testamento, de burro [2] – e colheu-as Chloë Sevigny, quando ficou apeada na tournée Depeche Mode 101, de 1987/8: “mas não consegui amealhar dinheiro suficiente para comprar bilhetes do concerto. O pagamento do meu babysitting [3] não estava a cobrir a proeza. Então, havia este puto que parava no parque onde eu cresci. Ele era como o Damone do ‘Fast Times at Ridgemont High’. Lembras-te dessa personagem? Ele vendia bilhetes para o concerto e erva e tudo o mais. Este gajo conduzia um Honda CRX com um autocolante WDRE. Fui até ao seu carro e foi tipo: ‘tens alguns bilhetes para os Depeche Mode?’. Ele disse-me: ‘iá, eles são tantos dólares’. Eu não tinha o suficiente, então ele disse: ‘se me bateres uma sarapitola, dou-te os bilhetes” [4].
“Irem para o maneta” [5] as esperanças é rabo-leva espetado no pretérito imperfeito. No presente perfeito, empontando o défice orçamental, palavra de Mendes [6], mergulharemos no futuro mais que perfeito. Rebentarão festas, esgotar-se-á a vinhaça, o nacional tintol, como na Rússia, o vodka [7]. Em Portugal há um rígido calendário das grandes esperanças certificado pelos ministros das Finanças, Teixeira dos Santos, o ido: “2009 foi o ano da grande crise. 2010 foi o ano da desconfiança e 2011 terá que ser o ano da recuperação da confiança dos agentes económicos e dos mercados financeiros”. Vítor Gaspar, o vindo: “a data crucial para o regresso aos mercados é 23 de setembro de 2013 e certamente que esperamos ter crescimento positivo antes disso” [8]. E, o emprazado povo, com estas datas fixas, nem espera, alcança, a saída desta situação de seca extrema de… amor dos mercados: “K.I.E.R.E.M.E.[9].
A apojadura pátria nunca esteve por meias medidas, só medidas cheias, Luciana Abreu, recém-genetriz: “comprei uma bomba para tirar leite”. Adelaide de Sousa, com filho de dois anos e meio: “estou a amamentar o Kyle e ainda dou leite para outro bebé” – outros povos não mamam tanto: apenas por tetuda ser, Kate Upton foi banida do YouTube, (reconsiderada depois para maiores de 18 anos). Modelo da Sports Illustrated, “19 anos, estava a demonstrar como fazer o ‘Cat Daddy’”, numa sessão fotográfica para Terry Richardson, “ok, é isso. É tudo o que vocês precisam”, de mancheia, concluiu ela; as tetas de Jenna Talackova, chutada fora do concurso Miss Universo Canadá, condoeram Donald Trump, do seu bom coração, e não pelas audiências, a reformar as regras (proibiam mulheres não conaturais). Jenna nasceu Walter, um colega de escola: “não era como se ela se parecesse com um rapaz, mas comportava-se como um rapariga”. Jenna “iniciou a terapia hormonal com a idade de 14 anos. Ela disse que teve uma cirurgia de reafetação sexual aos 19”; uma mais em “Heels of Steel” (heavy metal feminino de Estocolmo, Hysterica).
A galactoposia nativa preiteja a classe dos mamíferos, embora alguns disparem sobre as garrafas, como o fazia D. Sebastião. – Uma grande esperança, tal como a Children Medieval Band: três irmãos, Stefen, 10 anos, guitarra, voz e violino, Olga, 8 anos, violino e teclado, e Cornélia, 5 anos, percussão e harpa; tocam versões dos Rammstein, Beatles ou “Ronde - Mon Amy”, do compositor renascentista Tielman Susato. D. Sebastião, filho do príncipe D. João, o filho de D. João III, e da princesa Joana, filha do imperador Carlos V, foi educado na beatice com duas consequências. Convenceu-se: primeiro, ser o “Capitão de Deus”, de que estava predestinado para, à frente das hostes cristãs, esmagar o Islão; segundo, de que o maior pecado no mundo era a mulher. Certo dia, num banquete no paço, uma aia, carregando um tabuleiro, roçou-lhe o mamilo pelo cotovelo, o rei estarreceu de visões de Berzabum, trancou-se três dias na capela, purificando-se pela oração. Em Lisboa, entre a classe dominante, padejava um sentimento de frustração pela desgraça económica que era o império asiático. O caminho marítimo para a Índia fora um grande fracasso, não era sustentável, os custos de manutenção não se refletiam nos preços das mercadorias e somavam-se prejuízos, (nos bolsos do povo cada vez mais pobre). Circulava então a ideia de um império mais perto de casa. De ir pontapear mouros para Marrocos – “Kicking Daisies”, rock adolescente de Connecticut, “Keeping Secrets”, no “So Random!”.
No reinado de D. Sebastião um cometa cruzou os céus de Lisboa e logo o rei entendeu-o como um sinal para atacar o norte de África. O rei era um escravo da Companhia de Jesus, o poder estava nas mãos dos irmãos Câmara, Luís Gonçalves da Câmara, confessor do rei, e Martim Gonçalves da Câmara, escrivão da puridade. Camões final do canto VII dos “Lusíadas” acusa-os de estarem “a despir e a roubar o pobre povo” e nega-se a cantar: “Nenhum ambicioso, que quisesse / Subir a grandes cargos, cantarei, / Só por poder com torpes exercícios / Usar mais largamente de seus vícios”, ora, no século XVI, estes “vícios” era abafar a palhinha e consta que D. Sebastião marchara, trespassado pela “espada” dos Câmaras, uma possível explicação da sua misoginia. (Escorçomelar-se-ia ele das “Chelsea Girls”, 1966, filme de Andy Warhol e Paul Morrissey). Os conselheiros instigavam-lhe a vontade guerreira de “Capitão de Deus” – Camões: “vós, novo temor da maura lança, maravilha fatal da nossa idade” – os conselheiros, deste lado da fronteira.
Em dezembro de 1576, Sebastião conferenciou, para apoio ao seu empreendimento marroquino, com o tio Felipe II, de Espanha, no mosteiro de Santa Maria de Guadalupe, a padroeira da Estremadura espanhola. O tio desaconselhou-lhe tal temeridade, e o já idoso duque de Alba, presente nessa reunião, recomendava “cautela”. Um bazofiador Sebastião de 22 anos pergunta-lhe: “duque de que cor é o medo?”. O duque sereno respondeu-lhe: “às vezes é da cor da prudência”. Não havia disso em Portugal. Com 40º à sombra no norte de África, para lá sarpou Sebastião mais 14 mil homens, forrados de armaduras, no mês de agosto de 1578. Morreu o rei, desfalcou-se a nobreza, destruiu-se o exército, e sobe ao trono o quase morto cardeal D. Henrique, de quem o povo disse: “viva el-rei D. Henrique, no inferno muitos anos, por deixar em testamento, Portugal aos castelhanos”, porque dois anos depois Felipe II de Espanha governava Portugal – “Crisis”: “Ventas, rentas, saldos, hipotecas / Alquila, compra, vende, arrenda / Oferta, demanda, valores en alza / Suben, bajan, acciones de banca. / Inflacción, devaluación / Explotación, deuda exterior // Crisis” (eletro-pop espanhol, na Movida Madrileña dos anos 80, Alaska y Dinarama).
Sebastião era um gargajola insuportável. Num arraial militar, em Arzila, Coimbra, um boi escapa-se, um soldado improvisa uma tourada e mata-o. E a pronta ordem real foi: “enforquem-no!”. O mestre de campo, esquivando-se àquela inutilidade, precaveu-se do perdão do dono da besta, o duque de Barcelos, e na presença real, intercede pelo soldado, Sebastião diz-lhe: “não o enforcaste? Cuidado! Que eu vou enforcar-te com ele”. D. António Pinheiro, bispo de Miranda e depois de Leiria, num sermão recomenda precaução, nos perigos da guerra para a vida de um rei ainda sem descendentes, no fim da missa Sebastião irado ordena-lhe a abdicação do cargo. Nas areias de África, cavalgavam atrás dos mouros, Sebastião e o seu melhor amigo, Cristóvão de Távora. O cavalo deste adianta-se ao do rei. Sebastião desfere uma violenta pancada com a lança no toutiço do fidalgo, que rápido se apeia e respeitosamente e lhe beija as mãos A fidelidade aos monarcas era religiosa – “Where Is Your God?” (black metal de Medellín, Thy Antichrist).
Na manhã de 5 de agosto, o dia seguinte à vitória do sultão Abd al-Malik na batalha de Alcácer-Quibir, um moço do paço real português, também chamado Sebastião, assegurava que vira o cadáver do seu rei. Esse corpo foi recuperado, velado numa tenda, mas o calor escaldante da noite, liberta eflúvios pestilentos e arrastam a esteira para o ar livre. Sepultado provisoriamente na casa de um alcaide, depois é despachado para Ceuta. No reinado de Felipe II é repatriado para a sepultura os Jerónimos, enterrado sob reservas, com a legenda: “si vera est fama”, Afonso Lopes Vieira, no poema “O túmulo dos Jerónimos”: “Se é vera a fama, aqui jaz Sebastião / Vida nas plagas de África ceifada. / Não duvideis de que ele é vivo, não! / A morte lhe deu vida ilimitada”. E ele não para de regressar. Em 1585, veio do convento de Óbidos para uma ermida na praia de S. Julião, na Ericeira, um jovem, que triste, chorava e lamentava-se, dia após dia. O povo, intrigado, divisou-lhe traços do D. Sebastião e convenceu-se de que era o rei salvo-conduto para a felicidade terrena. Milhares de camponeses do oeste da Estremadura prestaram-lhe vassalagem. Ele intimida o cardeal Alberto, vice-rei, a governar em nome de Felipe II de Espanha, a abandonar Lisboa e a devolver-lhe o seu legítimo trono. O duque de Alba com um esquadrão de 400 castelhanos abafou a brincadeira. Os seguidores são chacinados, o falso Sebastião é capturado, torturado e morto. Era Mateus Álvares, filho de um padeiro, da ilha Terceira, no julgamento depôs: “eu nunca disse que era o rei, também nunca disse que o não era, porque quem tem o direito de fazer reis é o povo e o povo disse que eu era o rei”. Um novo Sebastião ambula nas lusas mentes, a data de chegada é certa, vã não é a espera, nem há castelhanos na costa, esse Sebastião é o regresso dos subsídios de férias e da Natal [10]. Será uma espera dadaísta, Ribemont-Dessaignes: “No vazio meti as mil letras do alfabeto, / Isso faz um belo concerto / Bem que não esteja ninguém. / E portanto eu espero, eu espero, / Eu espero o zero que nunca virá”. Enquanto se espera, balde de pipocas e cola: “death metal em Angola”, filme de Jeremy Xido [11].
-----------------------------------
[1] O célebre soneto, galante, poupa-lhes as filhas: “Lusos heróis, cadáveres cediços, / Erguei-vos dentre o pó! Sombras honradas, / Surgi! vinde exercer as mãos mirradas / Nestes vis, nestes cães, nestes mestiços. // Vinde salvar destes pardais castiços / As searas do arroz por vós ganhadas… / Mas ah! poupai-lhes as filhas delicadas, / Que elas culpa não têm, têm mil feitiços. // De pavor ante vós no chão se deite / Tanto fusco rajá, tanto nababo, / E as vossas ordens trémulo respeite. // Vão para as várzeas, leve-os o Diabo! / Andem como os avós, sem mais enfeite / Que o langotim, diâmetro do rabo”.
[2] Mário de Sá Carneiro: “Quando eu morrer batam em latas, / Rompam aos saltos e aos pinotes, / Façam estalar no ar chicotes, / Chamem palhaços e acrobatas! // Que o meu caixão vá sobre um burro / Ajaezado à andaluza: / A um morto nada se recusa, / E eu quero por força ir de burro!...”.
[3] Jorge Moreira da Silva, vice-presidente PSD, arrepela babysitar: “o PSD não pode ahm, como eu já disse várias vezes, andar com ahm o PS ao colo, nós não temos o papel de babysitter do Partido Socialista. Não se deve pedir ao PSD ou ao Governo, que obrigue o PS a ser um partido responsável ahm o PS faz o seu caminho, segue o seu caminho ahm, em todo o caso nós esperamos que o Partido Socialista possa abandonar esta retórica um pouco radical que iniciou há duas ou três semanas, não porque isso seja fundamental para o Governo ou para o PSD er er o PSD er er lidera er o Governo, o Governo de coligação, o Governo está a fazer o seu caminho, está a a ter resultados, aham e portanto não há nenhum sinal de radicalismo que, da parte do Partido Socialista, que prejudique o dia a dia da governação”.
[4] Entrevista de Chloë Sevigny, ao vocalista do grupo, na revista Interview agosto 2009. Dave Gahran: “ó! De modo nenhum”. Sevigny: “eu não sabia o que aquilo era nessa altura, (com 15 anos), acredita ou não. Então, voltei para os meus amigos, que estavam noutro carro, e foi tipo: ‘ele disse-me que mos dava se lhe batesse uma sarapitola’. Os meus amigos disseram: ‘não! Não o faças!”. Chloë, amiga íntima de Harmony Korine, estreou-se no papel principal de “Kids” (1995), por desistência da atriz canadiana Mia Kirshner: “Harmony apenas pensava que eu era uma rapariga doce e fofa e ele gostava do meu cabelo loiro”. É o mesmo filme que também debutou Rosario Dawson, uma das “carreiras de celebridades que se lançaram por acidente”. Até aos 17 anos, Rosario era uma sem-abrigo, a mãe arrombara um apartamento devoluto no Lower East Side. Sentada nas escadas, foi topada por Larry Clark, “um fotógrafo de 66 anos, cujos temas favoritos são adolescentes a tomar drogas e a fazer sexo”, e pelo jovem argumentista Harmony Korine, que lhe convidaram para um papel no filme “Kids”. Chloë: “tenho questionado os temas do género e sexualidade desde que era adolescente, e fiz algumas experiências”, profícuas para se embrulhar com Hillary Swank em “Boys Don’t Cry” (1999). Ela protagoniza um dos “24 trailers que funcionam como obras de arte autónomas”: The Brown Bunny (2003), filme onde expressa poder de sucção 360 watts ar na famosa cena do bico.  
[5] A expressão deriva da alcunha portuguesa de Louis Henri Loison, general francês na primeira invasão, sob o comando de Junot. Dizia Raul Brandão, que o general Paul Thiébault, descrevia Loison como “um homem hábil, mau como um cão”. Quando os autóctones careciam de correção, eram expedidos ao “maneta”, que lhes moía o corpo, muitas vezes, extirpando-lhes a vida. O “maneta” comandou as tropas francesas na Batalha da Ponte de Amarante, vindas do lado do mosteiro, para entrar em Trás-os-Montes. Durante 14 dias resistiu a barricada dos portugueses. Loison ordenou, a um oficial de engenharia, a armação de quarto barris de pólvora. Que embrulhados em mantas, para amortecer o ruído, quatro soldados, rastejando, no escuro da noite, encostaram na barricada. Os portugueses não se aperceberam de nada, só da explosão e da passagem dos gauleses.
[6] Marques Mendes, conselheiro de Estado e TV man: “eu acho que o ano de 2012 vai ser um ano muito difícil. Agora não vai ser um ano impossível, e eu acho que os salários vão ser pagos, dentro das limitações, que já são conhecidas em termos orçamentais. Portanto, não vale a pena exagerarmos. Agora há uma coisa que eu tenho a certeza, que é, se este ano cumprimos o défice orçamental permitido, e apesar dos sacrifícios todos, no próximo ano também cumprimos a meta definida, eu acho que nós vamos começar a aproximar do exemplo da Irlanda e não da Grécia. E o exemplo da Irlanda é de um país que teve recessão como nós, mas neste momento, já está a crescer. Eu acho que isto nos dá esperança, em vez de nos mergulhar na fatalidade”.
[7] O dia em que esgotou o vodka na Rússia. Um repórter: “tive a sorte de comprar um litro de vodka na estação de comboio, quando cheguei, porque era impossível comprar algum mais tarde … não havia vodka em Moscovo no 10 de maio, bebemos todo”. Pelas 1:10 horas, do dia 9 de maio de 1945, o rádio difundia que a Alemanha oficialmente se rendera à URSS, a população invadiu as ruas nos festejos, Staline discursou, “o país inteiro ficou sem vodka!”.
[8] Uma data tartamudeada pelo primeiro-ministro Passos Coelho: “eu não sei se Portugal regressará aos mercados em setembro de 2013 ou mais tarde. Naturalmente que eu quero isso mas, se por qualquer razão que não tenha a ver com a aplicação do programa, isso não funcionar, então o Fundo Monetário Internacional e a União Europeia manterão a ajuda a Portugal. Já deram garantias disso … eu não vejo motivos para que aconteça, mas é claro que desde a cimeira europeia de julho de 2011 há uma garantia de ajuda, desde que os programas sejam implementados com sucesso”. E pelo segundo-ministro Miguel Relvas: “Portugal está e vai cumprir o programa estabelecido e em circunstâncias normais a vinte trê…s de Setembro de 2013 Portugal voltará ao mercado … é difícil, compreender, e reconhecer todo este ruído, que nos últimos dias tem existido acerca desta questão, porque Portugal e a Irlanda, está claramente na sua mão o cumprimento de todo o plano estabelecido”.
[9] Primeiro single de “Un pokito de rocanroll”, terceiro CD de Bebe (Nieves Rebolledo Vila): “nascida em Valência de Alcântara e criada entre Zafra, Montijo, Mérida e Badajoz. Os seus pais eram músicos, membros do grupo folk Surberina. Em 1995, começa a sua trajetória como corista no grupo Vanagloria. Um ano depois foi para Badajoz onde, com a sua voz, as suas canções originais e a sua guitarra, em finais de 2003 realiza o sonho de todo o compositor, traduzindo num álbum tudo aquilo que impregna a sua vida e a sua música” ▬ “La Bicha” ♫ “Malo” ♫ “Siempre Me Quedará”.
[10] A data é certa, os portugueses é que são maus a matemática. Cavaco Silva: “uma discussão que faz pouco sentido neste momento, porque é prematuro estar a pensar naquilo que pode acontecer no ano de 2014 ou 2015, quando a situação económica e financeira do país em 2014 ou 2015 vai depender de múltiplas variáveis, algumas variáveis externas não controladas por nós. Por isso, é melhor que aguardemos pelos orçamentos de 2014 e 2015, que a Assembleia da Republica irá discutir, irá aprovar ou não, e então podemos discutir com mais informação … nós devemos concentrar neste momento, acima de tudo, ao desemprego, é o drama maior do nosso país em particular o desemprego dos jovens mas também o desemprego de longa duração… e para isso é preciso que no país se crie um ambiente favorável ao investimento privado, incluindo o investimento estrangeiro e à produção de bens suscetíveis de serem exportados ou substituírem ‘informações’ e ao mesmo tempo manter a coesão social”. Paulo Batista Santos, deputado careca do PSD e voz de massa fina: “o PSD quer dizer com toda a clareza que não há novidade nenhuma nesta questão. O programa de assistência está em vigor e é conhecido de toda a gente, desde Maio de 2011 até Maio de 2014, é evidente que a recu a retoma! A recuperação, a reintrodução dos subsídios só pode ser aplicado em 2015, no orçamento que será aprovado em 2014. Isto é uma não questão, estamos todos a falar da mesma coisa, e não vale a pena lamentar mais um problema, num assunto que para nós está encerrado e está claro … o ministro da Finanças acabou aqui, de uma forma transparente e com toda a honestidade, assumir que houve alguma lapsos nessa matéria, mas nunca houve dúvidas nenhumas que esses cortes iriam se manter durante a vigência do do plano de assistência financeira”. Vítor Gaspar “assumira” na Assembleia: “deixem-me esclarecer muito vagarosamente a questão, deixem-me esclarecer muito vagarosamente a questão dos subsídios de Natal e de férias … o ano de 2015 é a ano imediatamente consecutivo a 2014”, do lado direito, uma rinchavelhada de Miguel Relvas.
[11] Documentário sobre o Festival de Rock do Huambo. Alguns grupos: Dor Fantasma ▬ “System” ♫  estreia de “System” ♫ “Salvation” ♫ “Hey”; Before Crush ▬ “A grande conquista” ♫ “Som dos impossíveis”; Black Soul ▬ “You Are Liar” ♫ “Um lugar”, Grupo Instinto Primário ▬ “Se paiou” ♫ “Vai já devolver”; Café Negro ▬ “Kilapanga do órfão” ♫  “Loud for you” ♫ “Universo”.

cinema:

Sammie Spades: 1,50 m, 46 kg, 81-66-91, sapatos 37, olhos azuis, cabelo loiro. Quando aluna da universidade comunitária de Buffalo em 2006, conheceu Hillary Clinton, então ainda senadora, num banquete político, candidatou-se e obteve um estágio de verão no escritório de Hillary em Buffalo, Nova Iorque. “Sammie diz: ‘eu planeava ser advogada e então entrar num cargo político’ – contudo, um par de anos depois, ela teve problemas de dinheiro, abandonou a política … e assume que fazer sexo nos filmes era a melhor maneira de pagar as contas”. E a sua filmografia é enriquecedora: “Mothers Teaching Daughters How To Suck Cock #2” (2009), “Big Butts Like It Big #8” (2011), “Anal Buffet 7” (2011), e outras muitas obras orgânicas; “no meu tempo livre adoro espreguiçar-me na minha piscina e beberricar margaritas geladas”, nunca lhe escasseou dinheiro para dissipar na “lista de desejos das estrelas porno na Amazon”, ou para cultura clássica: pornchestra, sinfonia nº 40 de Mozart. {Twitter}. – “Cinderella 2000” (1977): musical de ficção científica, sexplotation de baixo orçamento: “as pessoas só estão autorizadas a acasalar para fins reprodutivos, em horário estritamente programado, e os transgressores são encolhidos ao tamanho de bonecos”. O robot Roscoe sequestra os casais para esses atos aprovados: para “fornicação sem sanção”. “No ano de 2047, o mundo foi dominado por um Governo autoritário, o Controller (Erwin Fuller) proíbe a atividade sexual, devido ao crescimento excessivo da população. Cercada por esta atmosfera opressiva está Cindy (Catharine Erhardt), uma criada, coberta de sujidade, a viver com a sua madrasta de carregado sotaque alemão, e duas meias-irmãs (uma branca vil e uma surpreendentemente amável preta). Enquanto cantarolava uma melodia sobre a gata borralheira depois de ler um conto de fadas, ela é visitada por uma fada padrinho intergaláctica (Jay B. Larson), que a introduz na arte de fazer amor, transformando animais da floresta em seres humanos em collants e máscaras gigantes, que moem as virilhas e executam um número musical”. “A fada padrinho concede-lhe o seu desejo de ir ao irresistível baile. Cindy encontra Tom Prince (Vaughn Armstrong), o homem dos seus sonhos, no baile. Os dois rapidamente consumam o seu amor. A sua felicidade é interrompida quando a lei os apanha a fornicar. Para piorar a situação é quase meia-noite, então Cindy escapa-se antes de Tom vê-la como a camponesa que ela realmente é. Na manhã seguinte, Tom procura por todo o lado a sua princesa, indo para a cama com várias damas, ao longo do caminho, antes de encontrar a mulher que ele verdadeiramente ama, Cindy”. – Rosie Jones: 1,70 m, 81-66-91, sapatos 38, olhos castanhos, cabelo castanho, modelo britânica de Sunbury-on-Thames, Middlesex, nascida a 9 de julho, 1990. “Jones é modelo desde 2008. Antes disso, ela frequentou a St. Ignatius Catholic Primary School e o St. Paul's Catholic College em Sunbury-on-Thames, onde alcançou quarto níveis A e um AS (Advanced Supplementary) em psicologia, estudos teatrais, estudos de média, pensamento crítico e estudos gerais”. Rosie detêm o recorde do Guinness, derrotando Becky, para o maior número de soutiens tirados e colocados num minuto, sete: “foi realmente mais difícil do que parecia, quero que as pessoas saibam disso. As minhas mãos doem, os meus braços doem e os meus músculos cresceram!”. A sua bolbosa obra: paródia Old Spice ♥ no vídeo de Bryan Ferry “You Can Dance” ♥ Victory Poker ♥ “Body Language” ♥ “Rosie Jones Stripping” ♥ “Rosie Jones Nuts” ♥ “Rosie Jones Nuts 2” ♥ “Rosie Jones Naked Shopping” ♥ “Rosie Jones Nuts Covered December” ♥ “Rosie Jones & Friends” ♥ fotosfotos: “segurei a Taça do Mundo entre as minhas mamas” ♥ fotosfotosfotos. {Twitter}. – Veena Malik: 1,70 m, 50 kg, 91-66-91, olhos pretos, cabelo preto, atriz paquistanesa, vedeta de Lollywood, estreou-se em “Tere Pyar Mein / no teu amor” (2000), e reparte-se por outros em urdu, punjabi e hindi como: “Yeh Dil Aap Ka Huwa / se o seu coração é” (2002), “Pind Di Kuri” (2003), “Sassi Punno” (2003), “Gali Gali Mein Chor Hai” (2012), “Tere Naal Love Ho Gaya / apaixonando-me por ti” (2012), “Dal Mein Kuch Kala Hai / nem tudo é o que parece” (2012), a sua estreia em Bollywood; Veena no anúncio do armazém Libas. Foi capa da FHM Índia de dezembro 2011, nua, com a tatuagem “ISI” (Inter-Service Intelligence, acrónimo dos serviços secretos paquistaneses), no braço esquerdo. Veena nega as fotos e exige a retirada da revista e dois milhões de dólares de indemnização por perdas e danos. Ayaz Bilawala, o advogado: “miss Malik foi intrujada e burlada. Ela teve uma sessão fotográfica, mas não havia nenhuma nudez. Ela tinha algumas roupas”. O editor da revista, Kabeer Sharma: “nós temos um vídeo da sessão fotográfica, bem como e-mails de Veena sobre como está ansiosa pela capa. Veena estava muito entusiasmada como essa ideia do ISI”. Desapareceu na manhã de 16 de Dezembro, “deprimida e indisposta”, o cineasta Hemant Madhukar: “Veena Malik, sem fazer a sua última gravação às cinco da manhã para o meu filme ‘Mumbai 125 kms’, de repente desapareceu da sua carrinha camarim. O seu telemóvel também não estava contactável, eu deduzi que a atriz estava cansada e fora para casa”. Em janeiro, defendeu-se dos clérigos radicais paquistaneses, que não autorizam exposição de carne mafamética: “se uma mulher está bem vestindo uma burca, ela deve usar uma burca. Se uma mulher, sendo muçulmana, quer usar jeans, então ela deve usar jeans”. No reality showSwayamavar 4 – Veena Ka Vivaah”, em é uma noiva à procura de marido, recebeu 71 240 pretendentes: “eu sabia que os rapazes, empenhados em casar, iriam mandar os seus perfis, mas para cima de 71 000 é um número além das minhas expetativas. E ainda que eu esperasse entradas do Reino Unido, EUA, Índia e Paquistão, achei surpreendente ver um grande número de entradas da Polónia. Penso que as moças paquistanesas e indianas são famosas pela sua beleza, valores da família e tradições, e é por isso que mesmo rapazes da Polónia estão interessados”. – Seanise Haskins: “formada na Escola Secundária da Sagrada Família é um modelo para os seus pares e colegas mais novos. Ele encarna, espiritual, académica e emocionalmente, o estudante ideal. Seanise é uma dama que vive na educação e na liderança. (…). Ela é uma dama à espera de fazer História”. Miss Pasadena Teen, concorrente ao título de Miss Califórnia Teen 2011, em Agua Caliente, Rancho Mirage, Califórnia, decorrido no mês de novembro de 2010. Na universidade do Arizona, zona de estudo das universitárias mais sexys, ela é uma Tucson 12, “inteligência, sensualidade, beleza, Tucson tem tudo”. A apresentação de Seanise como aluna de administração de empresas, especialização em mercado empresarial. As provas de biquíni. As respostas ao obrigatório inquérito: “o que está a tocar no teu iPod agora?”, “Lloyd – Year if the Lover” / “resume o teu último encontro em 5 palavras?”, “descontraído, confortável, espontâneo, divertido e excitante” / “sandálias ou stilettos?”, “stilettos”. – Destiny Papalia: 1,60 m, 47 kg, 81-61-84, sapatos 37, olhos castanhos, cabelo castanho. Modelo latina, ex-coelhinha da Playboy, “nascida e criada no nadir de San Joaquin Valley, na cidade de Stockton, Califórnia” ▬ “Headlines” ♥ banho de espuma ♥ “fantasy girl” ♥ “Dent & Sol Powa” ♥ na revista Rogue: “a minha filosofia na vida é manifestar positividade. Avançar sempre com uma visão positiva sobre as coisas, não importa quão difíceis ou impossíveis os obstáculos da vida, pareçam. Você tem que acreditar em si mesmo e manifestá-lo”/ “qual é a palavra favorita para praguejar quando estás chateada?”, “foda-se” / “qual é a tua parte favorita da anatomia humana?”, “no homem, os olhos” ♥ no World Gaming Magazine Macau, jan/feb 2011 ♥ fotosfotos. {Blog}. {Twitter}.

música:

Danger Mouse – produtor musical, sóbole dos Gnarls Barkley, no ano de 2009, uma disputa legal com a EMI, cancelou-lhe a edição do seu álbum “Dark Night of the Soul”: “um porta-voz do produtor disse: ‘Danger Mouse continua extremamente orgulhoso de “Dark Night of the Soul” e espera que as pessoas que tiverem a sorte de ouvir a música, seja por que meio for, fiquem tão entusiasmadas como ele está’. Ele acrescentou que o álbum, que vem com uma edição limitada, ‘livro com mais de 100 páginas’ de fotografias de David Lynch inspiradas pela música, ‘sairia agora com um CD-R virgem’. ‘Todas as cópias serão claramente rotuladas: ‘por razões legais, o CD-R incluso não contém música. Use-o como quiser’. (…). As 13 faixas puderam ser ouvidas no site da estação pública americana NPR”. O álbum foi escrito por Mouse, i.e. Brian Joseph Burtone, e pelo líder dos Sparklehorse Mark Linkous: (9 de setembro, 1962 / 6 de março, 2010), “em 2005, amigos de Linkous tentavam arrancá-lo de um estado depressivo mostrando-lhe música nova. Um dos discos que lhe chamou a atenção foi ‘The Grey Album’ do Danger Mouse, que conduziu a um relacionamento mutuamente apreciativo entre os dois artistas. Danger Mouse trabalhou nalgumas músicas de ‘Dreamt for Light Years in the Belly of a Mountain’, o regresso dos Sparklehorse em 2006, lapidando as canções delicadas, herméticas, de Linkous com um novo tipo de nitidez e cor. Nas entrevistas promocionais, Linkous e Danger Mouse davam dicas de futura colaboração”.
O álbum “Dark Night of the Soul” circulou na net e só foi editado oficialmente sete meses depois da morte de Linkous: vários anos de dependência e depressão, nos anos 90, uma overdose quase o matou e danificou-lhe as pernas. “Em 1996, quando em tournée pela Europa com os Radiohead, (…), Linkous consumiu uma combinação de antidepressivos, valium, álcool e heroína num quarto de hotel de Londres. Inconsciente, e com as pernas presas debaixo dele por quase 14 horas, o resultante potássio acumulado causou uma paragem cardíaca por alguns minutos depois de o seu corpo ser erguido. A cirurgia que se seguiu quase lhe fez perder o uso de ambas as pernas e deixou-o numa cadeira de rodas durante seis meses”. No dia 6 de março de 2010, sentou-se num beco perto da Irwin Street, em Knoxville, Tennessee, e suicidou-se pelas 13:20 com um tiro no coração.
No CD, empenharam-se, na produção e composição: James Mercer dos Shins, Wayne Coyne dos Flaming Lips, (“excessivamente comunistas para Oklahoma”: uma t-shirt com a foice e o martelo do baixista Michael Irvins quase ceifou a nomeação de “Do You Realize??” como canção rock oficial do Estado), Gruff Rhys dos Super Furry Animals, Jason Lytle dos Grandaddy, Julian Casablancas dos Strokes, Black Francis dos Pixies (“tão influentes que uma vez, famosamente, Kurt Cobain chamou ao Nevermind a sua tentativa de ‘rapinar os Pixies’”), Nina Persson dos Cardigans, Scott Spillane dos Neutral Milk Hotel e Gerbils, Suzanne Veja (“Tom’s Diner”: “costumava ir ao Tom’s Restaurant tomar café, e depois de me formar, também comia lá antes de ir trabalhar. Era então um lugar barato e gorduroso na 112º com a Broadway”), David Lynch, Iggy Pop (c/ Debbie Harry) e outro pernil esticado antes da saída oficial do disco, Vic Chesnutt (12 de novembro 12, 1964 / 25 de dezembro, 2009): paralisado num acidente de viação aos 18 anos, disse numa entrevista que “‘era um tetraplégico da cintura para baixo’, e conquanto tivesse sensibilidade e algum movimento no seu corpo, não podia andar ‘funcionalmente’ e que, embora percebesse pouco depois que podia ainda tocar guitarra, só podia tocar acordes simples. (…) Morreu de uma overdose de relaxantes musculares que o deixaram em coma num hospital de Athens”, Geórgia, no dia de Natal de 2009.
O protesto de Danger Mouse insinuava o download de um site P2P para o CD-R virgem [1]. A contestação chouta com os tempos, apesar do prudente atassalhar dos mais velhos: “a avó costumava dizer às pessoas que iam lá a casa que eu era realmente uma menina; nessas alturas, fugia e fechava-me na casa de banho. Dizia-lhes também que eu usava a pilinha à direita, quando era à esquerda que devia usá-la, como os homens. Por baixo da toalha, bem tentava pô-la à esquerda, mas a pilinha, por si própria, passava-se para a direita”, Arrabal em “Baal Babilónia”. Ou da resiliência paterna: “progenitor seguiu o filho de Valadares (Gaia), onde residem, até ao Porto, vendo o menor (15 anos) entrar na discoteca Pride. Aí, cerca das três horas da madrugada terá activado a 1ª Divisão da PSP da cidade, alegando ser heterossexual e pai de um adolescente, que queria ver retirado do espaço, porque ali se recusava a entrar” e entregou-o à PSP, não o queria no lar. Não é o lugar mais seguro. No ecrã: “personagens de TV que nunca saíram o armário (mas que deviam)”, no chão da sala: “brinquedos que te tornam gay”. Falido o Girl Watcher, os ventos sopram por detrás.
A rebeldia no século XXI ressupina no cheira-fraldas – José António Saraiva: “todas as gerações, desde esses idos de 60, tiveram os seus sinais exteriores de revolta. Foram os cabelos compridos, as drogas, as calças à boca-de-sino, as barbas à Fidel Castro, os posters de Che Guevara colados na parede do quarto. Ora a exposição da homossexualidade é hoje uma delas. E a opção gay é uma forma de negação radical: porque rejeita a relação homem-mulher, ou seja, o acto que assegura a reprodução da espécie. Nas relações homossexuais há um niilismo assumido, uma ausência de utilidade, uma recusa do futuro. Impera a ideia de que tudo se consome numa geração – e que o amanhã não existe. De resto, o uso de roupas pretas, a fuga da cor, vão no mesmo sentido em direcção ao nada ”. Vestir de preto? agasalhar o palhaço? temos herói.
Gaahl, i.e. Kristian Eivind Espedal, demónio do black metal norueguês, fundador dos Gorgoroth, Trelldom e Gaahlskagg, em 2006 despeitorou-se como investidor de moda. Conchegou-se a Dan DeVero, agente de modelos / connoisseur de peles, para pespontearem a coleção Wynjo [2] (2009). Gaahl historiza: “havíamos contratado modelos da DXD Models para um vídeo a ser gravado em Bergenshallen. Durante as filmagens, de repente, Dan apareceu e ficou chateado connosco porque fora servido vinho a um dos seus modelos. Essa foi a primeira vez que o encontrei”. DeVero deleita: “Kristian e eu desenvolvemos uma relação estreita e ele, muitas vezes, disse-me que tinha fortes sentimentos por mim”. Gaahl ainda suavizava com vaselina: “não estou muito dentro do físico, é mais, estou mais na estética das coisas”, mais tarde rabotou a sua preferência creofágica: “gosto muito de mulheres altivas. Mas não gosto de moçoilas. Elas são repugnantes. É uma forma de submissão que fortemente me desagrada. Nunca poderia estar fisicamente com um ser do sexo feminino. Não gosto das suas curvas e nunca entendi os seios [3]. Penso que tem algo a ver com o seu centro de gravidade excessivamente baixo. Gosto muito mais das linhas masculinas”. Em 2010, já com Robin Jakobsen, esponsalício namorado novo: “eu estava no Fincken (um bar gay em Bergen) e Robin apareceu à procura de o seu ex-namorado. Eu tinha bebido vinho branco, e subitamente vi uma figura brilhante na porta: era o Robin. Eu pensei que ele precisava de ser meu”, laureiam-lhe com título de homossexual do ano na Bergen Gay Galla, Noruega.
-----------------------------------
[1] No povo compaginado pelo seu primeiro-ministro Passos Coelho: “no século XXI haverá ainda muitos continentes por descobrir e que alguns desses continentes serão descobertos uma vez mais por portugueses”, evecção geofágica e outros materiais. Ide e descubram! Schelling, em frente: “sem um grande entusiasmo geral, só há seitas, mas não há opinião pública”. Cristiano Ronaldo embute: “q’as pessoas possam vir a um estádio, possam apoia’ a seleção de Portugal, possam, como foi em 2004, ter as bandeiras nas suas casas, façam can cânticos p’a apoiar a seleção” – “I'm on Fire” (rock de Brooklyn, Los Encantados). Nos tribunais desse povo inflamado foi escardichada uma supina sentença: um jovem é condenado a dois meses de pena suspensa pelo crime de usurpação ao partilhar na net três músicas: “Right Through You”, de Alanis Morissette, “A Queda de um Anjo”, dos Delfins e “Não Há”, de João Pedro Pais. A entidade acusadora, a proditória Associação Fonográfica Portuguesa (AFP), através de trêfegos argumentos, a equivalência: diminuição nas vendas = partilha de ficheiros, ludibria um pedâneo desterrado no século XX. O consumidor rebuscou o seu gosto, não comprará qualquer zangarreio de ídolo, mas amesendar-se-á com qualidade lírica musicada: “o que eu não aproveito ao almoço e ao jantar a ti deve dar jeito” / “as coisas que jogam fora ainda dentro da validade davam para ir até lua e ainda sobrava metade” inHino da ação zero desperdício”. Em vez de promover workshops para esta excelência poética musicada, a AFP ataca a linha dos bytes de ouro. Adam Young, dos Owl City, aquando do seu contacto com o povo das descobertas: “grande parte disto teve origem na Internet. A Internet é muito ambígua, pois um jovem músico pode pôr músicas no MySpace ou no YouTube. Foi assim que comecei. Se não fosse pelas redes sociais não estaria aqui”.
[2] Gaahl explica a sua escolha: “Wynjo é uma palavra norueguesa antiga que significa felicidade, ou para ser mais preciso, a procura da felicidade. Perfeição. Sempre me preocupei com a estética e com o que é belo. Esta coleção exibirá o elegante e feminino nas mulheres”.
[3]Nice”, de Charlotte Devaney, inglesa, 1,73 m, 86-60-88, sapato 39, olhos castanhos, cabelo castanho, “DJ e produtora, outros talentos de Charlotte incluem, modelo, representação e apresentação na rádio de TV”, fundadora do grupo de dança Narni Shakers {Kristie Narni} ▬ no Funky Buddha ♫ no PachaDJ Show.

42 Comments:

  • At 2:58 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Se há um adjetivo para esta época é sebastião, claro que é um nome próprio, por isso tive que me alongar na descrição de um rei que não passava cavaco ao povo, como agora Belém faz, e tratava mal a nobreza, quanto ao clero? acho que o clero, isto é os jesuítas, tratavam de… lhe mudar o óleo. O rei tinha muitas passibilidades de ser uma rainha, não morresse tão cedo, mesmo assim havia muito boato na época, mas isto quem faz a história são os historiadores e não o povo, que apenas a vive, não sei se será verdade.
    Esta é uma época de sebastiões, são os subsídios, é o regresso aos mercados, é agora o Hollande (quando ele vir as contas começa logo a quebrar promessas), e quem se lixa são os mexilhões.

    Manuel, os links: por falar em arte, a cena do bico, da Chloë Sevigny no filme Brown Bunny; a espanhola Bebe; o death metal em Angola; como exemplo de vida a Sammie Spades que deixa a política pelo porno, uma lição que se pode ensinar nas salas de aula com 30 alunos; o filme Cinderella 2000 é fantástico, está no Tubo, mas não está disponível no meu país, se o teu for diferente, mando-te o link; a Rosie Jones, a importância de uma educação católica; a Seanise Haskins embora esta ainda seja uma boa menina e irá para o céu; “pornochestra” claro que também é para maiores de 18 acompanhados pelos país; e “Nice” da Charlotte, que Gaahl, o deus do death metal, não compreenderia aquelas formas.

     
  • At 6:37 da tarde, Blogger São said…

    Sebastião, de novo? Não!!

    Bocage? Mereceia uma estátua melhorzinha na cidade em que nasceu!!

    Boa semana

     
  • At 7:09 da tarde, Blogger scopitone said…

    Táxi, não sei se alguma vez reparaste nesta obra à venda na amazon:

    http://www.amazon.com/How-Become-Porn-Director-Amateur/dp/1589090853

     
  • At 7:15 da tarde, Blogger José said…

    Bem ainda hoje não tinha rido nada porque a vida não está para isso. mas agora aqui não pude evitar de me rir um bocadinho, e esqueci-mo por completo o mundo lá fora, e nem cheguei a passar dos sonetos, aquele que morreu queimado seria alguma coisas a este?

    Boa Semana
    José

     
  • At 9:07 da tarde, Blogger Campista selvagem said…

    É pá.
    Hoje deu bronca, não tanto pelo rei, bem sei o quanto o povo o queria de volta, mas se era arrogante fez por merecer a sorte que teve.
    Quanto ao preços de entrada dá que pensar, eu que desespero por descontos para o rok in rio, aquela paga não me agrada mas quem sabe não se arranja algo mais em conta, mas a melhor da noite meu caro é o excesso de leita das fulanas de primeira página que o povo insiste em eduldatrar.
    "a agros não vai gostar destas (de) veldades.

     
  • At 10:00 da tarde, Blogger xistosa - (josé torres) said…

    Qual o porquê das "estrelas" possuírem estrelas em locais convenientemente estabelecidos (por quem???), como é o caso desta Chloe Sevigny.
    A "galactoposia também preiteja" os que não deixaram de ser lactantes e gostam de ir à "fonte" chupar, chuchar, sugar e sorver, não mordiscando.
    Mas estes são verbos que a rotina actual do actual governo, actualiza diariamente.
    Não sorvi tudo e de tudo, era impossível.
    Mas para não deixar derreter o gelo, vou beber o m/whisky simples.

     
  • At 10:24 da tarde, Blogger atascadotijoao said…

    Boa semana ::))

     
  • At 8:06 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    São: haverá melhor Sebastião que os subsídios? Claro que agora será diferente, não teremos o povo naquele miradouro (do Príncipe Real que não sei o nome), a olhar a barra, mirando pelo barco, vindo de Marrocos. Estarão em frente dos Bancos a olhar para as caixas Multibanco, esperando pela carrinha da Prosegur.

    É melhor deixar as estátuas aos líderes políticos, esses sim o povo deve homenagear, e até rezar. O poema do Bocage está muito bom.

     
  • At 8:07 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    scopitone: este deve ser um bom livro de ajuda, embora o Sá Leão tivesse feito um filme apenas com uma ida ao mercado, à secção dos vegetais. Hoje poderia ser eu um realizador, se meu tio não tivesse enchido a cabeça de meu pai, com a ideia, que essa opção, era desemprego certo. Por causa disso, a história cinematográfica nacional só tem dois filmes: o do Taveira e o do Castelo Branco, as únicas obras-primas, do primeiro já postei alguns diálogos, tenho que fazer o mesmo do segundo. (E tenho que arranjar três horas para ver o Warhol antes que o tirem do Tubo).

     
  • At 8:07 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    José: epá, ando para aqui a puxar pela cabeça, não estou a ver o queimado, e tenho que despachar isto, já estou atrasado. O Bocage mandar os indianos andar de “langotim, diâmetro do rabo” é que ficou desatualizado, agora queremos que eles comprem dívida.

     
  • At 8:08 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Campista selvagem: as portuguesas são mulheres de muito leite. Tanto, que ainda a UE estabelece quotas, tal como para as vacas, salvo seja.

     
  • At 8:08 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    xistosa - (josé torres): a Sevigny é um exemplo de como a vida dá experiência. Sem saber o que era um hand job aos 15 anos, a saber a missa toda agora.

    Esse whisky é do Pingo Doce? Agora a ASAE diz que houve dumping no whisky, não ouvia coisa tão disparatada há muito tempo.

     
  • At 8:08 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    atascadotijoao: como todas as semanas, esta promete.

     
  • At 11:34 da manhã, Blogger São said…

    Mateus Álvares tinha razão: quem tem direito de "alevantar" reis é o povo.

    Há anos li uma crónica da batalha , melhor, da expedição escrita por um anónimo que nela participou: impressionante a série de erros crassos cometidos!

    Mas alguém ainda espera o retorno dos subsidios?! Não quero parecer , até porque não , a esperteza em pessoa...mas assim que ouvi o anúncio da suspensão traduzi imediatamente para supressão!

    Bom final de semana

     
  • At 1:11 da manhã, Blogger tétisq said…

    Isto está muito ecléctico...
    Boa semana, sem manhãs de nevoeiro...*

     
  • At 10:29 da manhã, OpenID nacasadorau said…

    E falas tu em ter que dar ao rato lá no rau :))))
    Gosh!

    Inteirei-me duma "futilidade / verdade" ... who gives a damn if Chloe Sevigny has a new HBO show about poligamy called Big Love, or how about the fact that she told Rolling Stone magazine that she thinks all tabloid gossip is true.???

    Gostava de ir ao Rock in Rio.

    Boa semana
    Beijinho

     
  • At 1:59 da tarde, Blogger Jose Torres said…

    Aproveito ter acabado de limpar as beiças, do molho que uma sande de pão com salsicha de lata, me fez salivar e, de a ter empurrado, por ser tão seca, com cinco copos de branco (que ao contrário do tinto, não suja o passeio), para desejar uma boa semana.
    Ah!
    Ouvi há poucos minutos o n/Coelho amestrado, ou mestrado, dizer que o mar nos chama...
    Talvez por isso os submarinos não se mexem, bem como as fragatas.
    Toda a marinhagem vai ter que ir a nado, de faca na boca, como os antigos bucaneiros das Antilhas, para as diversas “missões”.
    Mal mesmo vão estar os "aviadores".
    Não devem saber voara e cá por baixo, não vão ter muitos locais de colocação para aviarem...
    Por isso vou já de férias para a beira-mar, local onde só os topless e determinados biquinis me fazem aumentar o metabolismo.
    Então uma boa semana.

     
  • At 7:54 da tarde, Blogger Paulo Sempre said…

    Abraço!!

     
  • At 2:47 da tarde, Blogger Dri Viaro said…

    Bom dia!! Como foi o dia das mães por aí?

    Tenha uma semana abençoada!

    Beijos

    Dri Viaro
    www.driviaro.com.br
    www.ameliasdesalto.com
    www.ateliefesteiro.com

     
  • At 10:29 da tarde, Blogger Jose Torres said…

    Caríssimo

    Antes de tudo ue tenha um fim de semana cheio de futebol, (que fome sinto da Sport TV. Parece-me que é assim que se diz, ou melhor, escreve).
    Que ganhe o benfica, mesmo que o m7club seja outro.
    Ou os Merkel's... já estou por tudo.
    Que algum banhe para emborcar... emborcar umas cervejolas que comprei no Lidl.
    São alemãs e mesmo que não sejam fisicamente "avantajadas", são na medida exacta do que "gasto"
    Pois, um fim de semana cheio de coisas "cheias" e sem maré vaza.
    É tudo e penso que não é pouco.
    Só desejo metade disto tudo para mim.

     
  • At 3:29 da tarde, Blogger Ana Casanova said…

    Meu amigo passei para te deixar um beijo e desejar uma boa semana.
    Leio-te sempre com muito gosto e como adoro música vou aproveitando ouvir umas coisas. ;)
    Obrigada pelas visitas que me deixam sempre a rir com gosto! :)

     
  • At 3:32 da tarde, Blogger Ana Casanova said…

    Caramba...Com a pressa repeti a palavra "gosto". Ainda bem que o fulano que foi lá anónimo chamar-me pindérica, porque o meu tema preferido é o amor, não frequenta o teu blogue. Acho... Beijinhoooo

     
  • At 12:48 da manhã, Blogger {anita} said…

    presente(envenenado)lá no blog. desculpa...

     
  • At 9:05 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    São: e essa crónica deve ter sido de algum português? Do lado árabe deveria ter muito mais piada. Não são só os erros, era a visão “política” dos nossos líderes, que nunca foi grande coisa. A tomada de Ceuta, por exemplo, foi um grande fiasco. Era uma cidade comercial, rica, próspera, vinha para lá o ouro do Níger, as sedas da China, uma azáfama enorme, os tugas tomam conta daquilo e os comerciantes desapareceram todos. Ficaram os tugas rodeados de inimigos, tinha que ir tudo de Portugal, desde a comida à água, um balúrdio mantê-la, e nem quiseram trocá-la pelo Fernando (que ganhou uma avenida: a avenida Infante Santo).
    O mesmo para o caminho marítimo para a Índia: foi outro fiasco, a manutenção de armadas, fortalezas, tropas, encareceu tanto a empreitada, que o preço não se podia refletir nas especiarias, ou seriam mais baratas pela via anterior, então pagava o povo com impostos.

     
  • At 9:05 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    tétisq: se o ecletismo desse dinheiro ainda podia vender para a China ou Angola, assim fica online até o Deus Google se chatear e apagar ou uma manhã de nevoeiro o levar.

     
  • At 9:06 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    nacasadorau: os rumores podem não ser verdadeiros, mas são divertidíssimos. E como se vê, em Portugal, ocupam toda a vida intelectual.

     
  • At 9:06 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Jose Torres: a nossa tropa vai ter que fazer tudo à força de braços, o dinheiro para gasosa, para pôr as máquinas a trabalhar, vai faltar. E até nas balas podem poupar. O Solnado foi para a guerra com uma bala e uma guita. Os de hoje podem fazer o mesmo.
    O que nos vai safar é o calor, que faz cair as roupas femininas, ou ficaríamos a olhar para os índices económicos o ano todo.

    As cervejas alemãs ainda se safam, porque as mulheres, faz favor (Merkel ao menos faz serviço, com o que tem, e o que ela tem é uma Europa que exportou toda a sua indústria – de onde vinha a riqueza – para os países emergentes e agora quer dinheiro para crescimento e emprego).

     
  • At 9:06 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Paulo Sempre: força, enquanto não caímos na fraqueza, hoje chega o sr. etíope da troika, deve ser só abraços lá para os lados do aeroporto.

     
  • At 9:06 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Dri Viaro: por enquanto ainda vai havendo mães. O pai é que é uma questão de fé. É preciso acreditar muito que se é o pai.

     
  • At 9:07 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Ana Casanova: se pindérico vier de Píndaro, nem será mau. Não há muita margem para a poesia, ou cantigas de amor, de amigo ou maldizer, atividade que é o nosso desporto nacional.

     
  • At 9:08 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    {anita}: envenenado? Tenho que tomar já o antídoto.

     
  • At 9:37 da manhã, Blogger Rafeiro Perfumado said…

    Nada me tira da ideia que o D. Sebastião foi para Marrocos já com a ideia de ser derrotado e passar o resto da vida em prisões, a bater sarapitolas aos carcereiros.

     
  • At 10:20 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Rafeiro Perfumado: menino para isso era ele. Ele adorava prazeres com homens, era um moderno, para o seu tempo.

     
  • At 11:42 da manhã, Blogger São said…

    Eu acho que os governantes portugueses têm queda acentuada para o desastre, a sério.

    Expulsaram os judeus, que a única coisa que sabem (além de monopolizarem o sofrimento e perseguir palestenianos) é fazer dinheiro...e lá ficámos mais pobres.

    O resto tu o disseste .


    A crónica foi escrita, julga-se, por alguém da casa de D. António, Prior do Crato ( se a minha proverbial aversão a nomes me não está induzindo em erro).

    garanto-te que é de se ficar siderada face aos disparates feitos na condução de tudo aquilo.

    Enquadrado na religiosidade da época, a certa altura o autor diz mais ou menos isto: tomando em conta os absurdos erros cometidos, só se pode pensar que um designío do Alto estava pré-determinando a tragédia que aquilo foi.

    Boa semana

     
  • At 2:17 da tarde, Blogger José said…

    Quando me referi ao queimado, creio que era ao Sá Carneiro, quando chegou ao céu, disse ao São Pedro, que não queria ficar ao pé do Agostinho.
    Com tantas coisas a acontecerem ao mesmo tempo, e todas ruins, começa a ficar tudo desaparafusado, claro que se vai notando algumas falhas.

    Abraço,
    José.

     
  • At 12:38 da manhã, Blogger Jose Torres said…

    A Alemanha exportou para os emergentes e imergentes...
    Uns safaram-se, outros afundaram-se... mas é isto o equilíbrio do planeta.
    Quando bebo até matar a sede, umas vezes deito-me de papo para o ar, outras de papo para baixo.
    Não quero que a Terra rode sempre para o mesmo lado.
    Suponho que ficaríamos... "assim a modos" como já estamos.
    Venho só dar duas de treta e desejar um bom fim de semana.
    Descobri há bem pouco que o problema do tempo somos nós que o arranjamos.
    Se não dermos corda ao relógio...
    Bem, (chove diluvianamente), um fim de semana assim assim...

     
  • At 12:26 da manhã, Blogger Synapismos é a φάλαγξ forward marche ou marx? said…

    Bocage Sebastião come tudo tudo tudo e nevoeiro com Danger Mouses a salvarem o país?

    acho que nisto de emergentes e imergentes se vendeu muito submarino

    sebastião não passava cavaco ao povo?

    até lhes dava férias grátis em Marrocos e no Cancun brasileiro

    mandou imprimir um livro que dura hÁ 430 E TAL Anos e está para durar mais duas centenas de falências e fumos da índia

     
  • At 12:34 da manhã, Blogger Synapismos é a φάλαγξ forward marche ou marx? said…

    D.Sebastião quiz tornar o país auto-suficiente em cereais e em cabedais ao estylo grego

    os alemães que nos invadiram que paguem a crise

    os alemães do tempo calharam ser os marroquinos que desde 711 andavam a invadir a terra que nã era deles e a meter os alemães que éramos nós um bocadinho mai godos do que agora a ter de pedir ayuda a condes barões alemães de sub-espécie Franca que diziam queram gauleses ou galos uma coisa assis

    D.Sebastião além disse era alemão por parte de Carlos v e alemão do lado dos francos pelo marido da puta que pariu o afonso
    e inda alemão pelos anglo-saxes que andaram a fazer sex con o pessoal aqui do burgue

    resumindo filho da alemã que dizia queramos marroquinos
    e pra marrocos e em força

    marrocos é nosso pôrra
    graças a d.sebastião
    esqueceram-se foi de tirar de lá os marroquinos

    qué que qwerem só fazemos colonatos ao estylo grego
    mas falta-nos um Odisseus para os meter na ordem

     
  • At 7:42 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    São: a história portuguesa é muito divertida, há bastante tempo que estou para escrever um post de como é perigosa para quem acredita nela.

     
  • At 7:42 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    José: ah! Esse. Eu se fosse religioso, diria que aquilo foi um sinal de Deus: “deste encarrego-me eu, agora tenham atenção com os outros ou em 2012 estarão na bancarrota”.

     
  • At 7:43 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Jose Torres: parece que a Alemanha vai-nos comprar umas alheiras e toucinhos para compensar o desequilíbrio da balança comercial. Há muita porcaria alemã por cá. Até pilhas. Vou à tabacaria, e lá só têm uma marca alemã, que nem gosto, prefiro japonês, mas sou obrigado a levar, ou ter que andar até outro bairro.

     
  • At 7:43 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Synapismos é a φάλαγξ forward marche ou marx?: invadir Marrocos não seria má ideia, ao menos entretinha os desempregados.

     

Enviar um comentário

<< Home